São Paulo

Cachoeira dos Pretos e divisa dos estados MG-SP

No 3º dia (segunda-feira, 04/06/2012) da viagem “Fim de semana em Extrema e Joanópolis“, saímos de Extrema-MG e pela zona rural fomos a Joanópolis-SP, para conhecer a Cachoeira dos Pretos. No caminho, na divisa de Minas Gerais com São Paulo, passamos por belas paisagens e por placas indicando que ali tinha “Trincheiras” da Revolução Constitucionalista de 1932.

Acordamos cedo fomos nos despedir do delicioso café da manhã. Depois ficamos “enrolados” para terminar um trabalho da faculdade, porém conseguimos terminar e sair da pousada no horário de check-out, 12 horas.

Leia o relato do dia anterior dessa viagem: Pico dos Cabritos e Cachoeira do Salto em Extrema

Partimos sem destino, entramos na Estrada do Salto e fomos vendo nas placas as opções mais interessantes. Entramos em uma estrada que a placa indicava para capelas e “Trincheiras”.

Logo passamos por duas capelas e continuamos seguindo as placas “Trincheiras”. A vista da estrada é muito bonita, foi impossível seguir sem parar para tirar fotos.

Logo depois deste lugar fica a fronteira dos estados Minas Gerais e São Paulo. Onde há uma placa indicando que as trincheiras são (ou pelo menos eram) ali. Paramos, procuramos sítios adentro e não vimos sinal de trincheiras. Acho que a terra já cobriu… hehehe

Na fronteira tem uma placa indicando “Cachoeira dos Pretos”, já tínhamos ouvido falar muito bem dessa cachoeira, mas não tínhamos noção onde era. Seguimos as placas e chegamos ao centro de Joanópolis, a 25 km da Pousada Saúde Melhor, em Extrema-MG.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Ao entrar na cidade uma coisa nos chamou a atenção: o grande número de Fuscas. Começamos a contar, em menos de 15min contamos mais de 30. Depois descobrimos que lá tem encontro de Fuscas e até Taxi Fusca. Além disso, Joanópolis é conhecida como “Terra do Lobisomem”.

Ficamos um pouco na Praça Padre Domingos, onde fica a Igreja Matriz de São João Batista, no Centro.

Da praça até a cachoeira são 20 km e demoramos 40min para fazer o percurso todo asfaltado e de pista simples. Da estrada é possível ver a cachoeira, ela é muito alta – 154m de altura. Dizem ser a mais alta do estado de São Paulo.

O parque onde fica a Cachoeira dos Pretos impressiona, tem amplo estacionamento, lago, quiosques, vendas de artesanato, restaurantes, lanchonetes, loja de doces e banheiros. Porém, como era segunda-feira e fora de temporada, aquilo estava deserto e nada estava aberto.

Cachoeira dos Pretos

Cachoeira dos Pretos

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Além da Cachoeira dos Pretos, há várias corredeiras e outras pequenas quedas d’água. Fomos até onde dava para ir sem precisar pôr os pés nas águas do Rio Cachoeira, uma das nascentes do Rio Piracicaba.

Tiramos várias fotos e ficamos curtindo o relaxante som das águas.

Voltamos para o centro de Joanópolis para comer alguma coisa e depois fomos embora por Piracaia. Partimos às 17h. A estrada que liga Joanópolis a Piracaia (SP-36) é muito bonita, sempre com a represa do Rio Jaguari ao lado. Mas por preguiça não tiramos fotos. Seguimos por ela até a Rodovia Dom Pedro I, depois Anhanguera e por fim SP-304.

Chegamos a Santa Bárbara d’Oeste às 20h30, após 425 km rodados na viagem.

Quem escreve?

Sou um típico bicho do mato! À primeira vista pareço um cara estranho, falo pouco, observo muito e quase nunca me enquadro socialmente. Adoro mapas, história e fotografia, inclusive, se eu não fosse programador poderia ser um ótimo arqueólogo. Mas tem alguns mundos onde me encaixo: em um mergulho no mar, no silêncio das montanhas, assistindo à queda de uma cachoeira e até mesmo, dentro de um bom museu.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *