Pantanal

Cachoeira Véu da Noiva e Estrada Transpantaneira

No 5º dia (29/12/2013) da viagem de carro pelo Centro-Oeste brasileiro, fomos da Vila Bom Jardim (Nobres-MT) a Poconé, no Pantanal mato-grossense, mas antes voltamos para a Chapada dos Guimarães e visitamos a cachoeira Véu da Noiva, depois pegamos a estrada até entrar na Transpantaneira, onde começou nossa aventura pelo Pantanal.

Saímos da Vila Bom Jardim, em Nobres, logo após o café da manhã e voltamos para a Chapada dos Guimarães para visitar a cachoeira Véu da Noiva. Quando chegamos na Chapada dos Guimarães o trânsito estava lento, tinha muita gente de Cuiabá aproveitando o domingo na Chapada.

Leia os posts dos passeios desse dia:

+ Cachoeira Véu da Noiva
+ Rodovia Transpantaneira

Hospedagem no Pantanal (Poconé-MT)

 

Na estrada estreita – só passava um carro – para a pousada a grama estava alta e havia muito buracos cheios de água. Ficamos com medo do carro atolar e ter que descer a pé (no meio do Pantanal) para buscar ajuda, sem contar que não tínhamos ideia de quantos metros faltavam para a Pousada. Depois de muito rally chegamos são e salvos.

Na chegada tivemos outra surpresa: não havia uma recepção. Simplesmente encontramos um monte de quartos, construídos separadamente, como se a pousada fosse uma vila, e só mato ao redor. Não havia muitos carros, só uma perua e um Jipe. Como estava chovendo e quase escurecendo não havia ninguém por ali, aí começou a dar medo – parecia cena de filme de terror. Até que encontramos um cômodo diferente e com uma luz acesa, entramos: era a cozinha.

Este momento foi hilário, abrimos rapidamente a porta e nos deparamos com um homem barbudo, com um lenço de pirata na cabeça cortando um frango com uma faca enorme na mão! Também tinha uma mulher ali. Eram eles os donos da pousada e estavam preparando o jantar. Até hoje essa história nos rende boas gargalhadas =D

A mulher nos recepcionou, pediu desculpas pelo ocorrido e explicou que essa época do ano não é temporada no Pantanal, justamente por chover quase todo dia e ter muito pernilongo. Ela nos levou até nosso quarto apresentou a pousada e alertou sobre os perigos do Pantanal. O atendimento foi excelente.

Meses antes planejando a viagem, após pesquisar algumas opções de pousadas na Transpantaneira e encontrar valores acima da nossa condição, escolhemos a Curicaca. Pagamos 290 reais a diária para casal, com pensão completa e com direito a 1 passeio por dia. As opções de passeios inclusos eram uma trilha de aproximadamente 50 minutos pelo Pantanal, com guia, e um passeio de barco no curixo que margeia a pousada. Porém,  devido a pouca chuva o curixo não havia enchido o suficiente à realização do passeio e ficamos impossibilitados de fazer esse passeio.

O quarto é grande, com ventilador, telas nas janelas e o banheiro tem um chuveiro muito bom. Tomamos um banho e fomos ao lado da cozinha, na área de refeição. Essa hora a chuva já tinha cessado e começamos a sentir as picadas dos terríveis pernilongos. Nessa área ficava o frigobar onde pegamos água e suco. Dali alguns minutos o jantar estava servido,  sem palavras, uma delícia. 

Ao longo da refeição fomos conhecendo um pouco das pessoas dali: o homem que cortava o frango era um espanhol, que cozinhava extremamente bem, a sua esposa uma pessoa muito atenciosa, tinha cinco franceses ali fazendo estudos sobre os animais e faziam seus passeios na perua e mais uma família brasileira que estava ali fazendo turismo.

A Curicaca é uma das pousadas mais interessantes para quem deseja entrar no clima do Pantanal, pois não é cercada, o que possibilita a presença de vários animais ao redor dos quartos.

Após o farto jantar, estávamos indo ao quarto, quando alguém gritou: Olha a anta! Saímos feito loucos na escuridão procurando o animal, mas ela se escondeu rapidamente. 

Ao abrir a porta do quarto já fechamos rapidamente para amenizar a entrada dos pernilongos. Para conseguir dormir tivemos que passar muito repelente e nos cobrir com lençol até a cabeça.

 

Mapa do dia

 

Investimentos do dia

Hospedagem: R$ 190,00*   **
Alimentação: R$ 32,50*
Combustível: R$ 77,50
TOTAL: R$ 300,00

* Valor calculado para duas pessoas.
** Diária com 2 refeições inclusas, além do café da manhã.

Total de km percorridos no dia: 133,3

Total de km percorridos até esse dia/Total percorrido na viagem: 1.753,8 / 5.107,2

Quem escreve?

Prazer, pode me chamar de Naty! Sou marketeira por profissão e blogueira nas horas vagas. Moro em SP, mas já morei na Nova Zelândia e confesso que tenho uma “quedinha” pela ideia de morar fora novamente. Adoro bichos e pessoas também, inclusive as mais incompreensíveis rs! E acredito que assim como a leitura, música, e todas as formas de arte, conhecer diferentes culturas amplia nosso conhecimento sobre o outro e sobre nós mesmos.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *