Trilhas

Trilha da Calçada dos Escravos, em Tiradentes (2º dia #MG13)

No 2º dia da viagem Minas Gerais: História e Natureza, fizemos a Trilha do Carteiro, que nos leva até a Calçada dos Escravos, no alto da Serra de São José, na cidade histórica de Tiradentes. A trilha é leve, bem marcada e, se você tem alguma experiência do tipo, dispensa a contratação de guia.

Dormimos bem e estávamos dispostos e curiosos para conhecer a Serra de São José. Tomamos café na Panificação Padre Toledo, no centro de Tiradentes, e percebemos aos poucos os muitos hóspedes deixando as pousadas de Tiradentes, com o fim do Bike Fest.

Caminho errado

Caminho errado

Após o desjejum passamos em duas agências de turismos no centro da cidade, pois queríamos fazer a Trilha do Carteiro, para conhecer a Calçada dos Escravos, e no folheto informava que para percorrer a trilha era recomendável a contratação de um guia, devido a falta de sinalização na trilha. Uma agência estava fechada, e a outra não tinha guia disponível no momento.

Então decidimos fazer a trilha por conta própria, seguindo informações do mapa contido no folheto que pegamos na pousada. Ainda na cidade erramos o caminho e pedimos orientação a um atendente de uma pousada, que explicou o caminho correto e também nos animou a continuar.

Seguimos as orientações e chegamos na entrada da trilha.

A trilha é bem marcada e em alguns momentos tem degraus íngremes. O solo varia entre pedra, areia e terra. Em alguns trechos os caminhos ficam bem estreitos, mas o grau de dificuldade é fácil.

A Calçada dos Escravos fica a mais de mil metros de altitude, ela foi construída no período das explorações do ouro para facilitar o transporte de alimentos e escoamento do ouro. Seguindo por ela chegamos ao topo da Serra de São José.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Depois de passar pela Calçada dos Escravos chegamos a uma planície, onde podemos avistar a cidade de Tiradentes e região, dos dois lados da Serra de São José.

Depois fizemos uma “escalaminhada”, passamos por diversas pedras que formam um cenário muito bonito, por fim chegamos ao mirante onde tivemos uma visão mais ampla da cidade de Tiradentes.

Local da escalaminhada, na Trilha do Carteiro, em Tiradentes

Local da escalaminhada, na Trilha do Carteiro

Demoramos 1 hora e 40 minutos para chegar ao mirante. Ficamos no alto do cerro por uns 10 minutos, contemplando a paisagem, descansando e aproveitamos para nos hidratar.

Assista ao vídeo que fizemos na trilha:

 

A descida foi mais fácil e mais rápida e em 50 minutos chegamos ao início da trilha.

Chegamos ao camping e tomamos um longo banho para tirar o suor e o cansaço do corpo.

Mais tarde, fomos procurar um lugar para comer e assistir o jogo da final da Copa das Confederações: Brasil x Espanha. E depois de várias voltas achamos um barzinho muito legal: Sapore D’Itália.

Antes paramos para abastecer no posto da entrada da cidade, porém só colocamos R$ 10, pois certamente o combustível lá é “banhado a ouro”, muito caro! R$ 2,32 o litro do etanol!! Colocamos somente o suficiente para chegarmos a São João del-Rei, onde o preço estava mais aceitável.

Naquela noite demos muitas risadas, pois tudo foi uma surpresa: a pizza comum chegou do tamanho de um prato, a porção de fritas que era para ser pequena veio em grande quantidade, e por fim, o Brasil (leia-se CBF) derrotou a Espanha por 3 a 0, em um dos maiores atos terroristas já visto contra o povo brasileiro.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Mapa do dia

 

Investimentos do dia

Hospedagem: R$ 50,00*
Combustível: R$ 10,00
Alimentação: R$ 78,00*

* Valor para 2 pessoas

Km rodados no dia: 2,9
Total de km rodados na viagem: 
546,1

 

Passeios realizado no dia 30/06/2013, domingo.

Quem escreve?

Prazer, pode me chamar de Naty! Sou marketeira por profissão e blogueira nas horas vagas. Moro em SP, mas já morei na Nova Zelândia e confesso que tenho uma “quedinha” pela ideia de morar fora novamente. Adoro bichos e pessoas também, inclusive as mais incompreensíveis rs! E acredito que assim como a leitura, música, e todas as formas de arte, conhecer diferentes culturas amplia nosso conhecimento sobre o outro e sobre nós mesmos.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *