Praias

Como visitar as Islas Ballestas em Paracas, no Peru

Animais incríveis no seu próprio habitat, natureza exuberante e o lindo mar do pacífico. Esse é um resumo do passeio pelas Islas Ballestas, (pronuncia-se: “Baiestas”) que faz parte da reserva marinha de Paracas, um dos lugares mais encantadores do Peru.

As Islas Ballestas é um conjunto de ilhas próximas à costa pacífica da cidade de Paracas, com belas formações rochosas em arcos e grutas, tais quais servem de habitat para espécies de pinguins, leões marinhos e diversas aves que vão até lá para acasalar.

Os animais se alimentam com fartura devido a alta quantidade de peixes do local, que por sua vez, vão até Ballestas para se alimentar de plâncton, que é produzido em grande quantidade graças à corrente oceânica de Humbolt.

Ballestas faz parte da Reserva Nacional Sistema de Islas, Islotes y Puntas Guaneras, a maior reserva marinha do Peru, composta por 22 ilhas que abrigam ricas espécies de aves e animais marinhos.

 

Passeio nas Islas Ballestas

Há várias agências de turismo na cidade, quais oferecem diversas opções de passeios. Há passeios individuais para as ilhas e para a Reserva Nacional de Paracas, mas compensa comprar o passeio que inclui as duas atrações.

Pagamos cerca de S/ 120 (+/- R$ 130,00) por pessoa, pelo passeio completo, incluindo: Passeio de barco pelas Ilhas Ballestas, taxa portuária e tour de ônibus pela Reserva de Paracas com parada no Museu Julio C. Tello nas praias Lagunillas e Vermelha.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Candelabro

Nosso barco saiu por volta das 9h, e em 20 minutos já pudemos avistar a linda e misteriosa imagem do Candelabro.

Esse monumento esculpido no solo do deserto, tem aproximadamente 200 metros de altura. Impressiona a todos, tanto pelas suas dimensões, quanto pela sua idade. Ele pode ser visto a 20 km e foi construído há cerca de 2.500 anos.

A finalidade da sua construção? Isso é uma incógnita! Mas dizem de tudo um pouco. Acredita-se que foi marcação de tesouro feita por piratas, marcação de território feita por alienígenas, algum culto religioso (já que candelabro é um símbolo bíblico) entre muitas outras histórias.

 

As Islas Ballestas

Mais alguns minutinhos mar adentro e já se pode ver no céu um número absurdo de pássaros, que vem e vão para as imensas formações rochosas das Islas Ballestas.

As dicas são: Sente ao lado esquerdo do barco para capturar os melhores ângulos, use chapéu para se proteger das fezes dos pássaros e capriche nas fotos!

Bem, as imagens falam por si só:

 

Lua-de-mel: Mochilão É Tetra!
Esse post faz parte da viagem “Lua de mel: Mochilão É Tetra!“, onde passamos pela Bolívia, Peru, Equador e Colômbia.

Quem escreve?

Prazer, pode me chamar de Naty! Sou marketeira por profissão e blogueira nas horas vagas. Moro em SP, mas já morei na Nova Zelândia e confesso que tenho uma “quedinha” pela ideia de morar fora novamente. Adoro bichos e pessoas também, inclusive as mais incompreensíveis rs! E acredito que assim como a leitura, música, e todas as formas de arte, conhecer diferentes culturas amplia nosso conhecimento sobre o outro e sobre nós mesmos.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *