Uruguai

O Sonho UAC #005: Fazendo o roteiro

Há quem viaje sem destino, sem roteiro, mas não é o nosso caso até então.

O roteiro é a definição dos locais a serem visitados e bem planejado, torna a viagem mais agradável, com menos transtornos e mais lucrativa. Ele pode ser alterado ao longo do planejamento.

Novamente vamos mostrar a metodologia que utilizamos para desenvolver o nosso roteiro para viagem:

1- Definição do destino

Parece besteira, mas é importante saber para onde ir antes de começar o roteiro, já que sem destino não há roteiro. O destino pode ser alterado durante a formulação do roteiro, por exemplo: nosso primeiro destino era Montevideo, depois Santiago, Púcon e por fim definimos Santiago do Chile. Vai depender do seu tempo e dinheiro.

 

2- Pré-roteiro

Aqui começamos a utilizar essa planilha como base.

Colocamos na planilha o nosso dia a dia. Aqui é onde faremos o trajeto para se chegar ao destino, e separamos a quantidade de dias para ficar em determinada cidade. Fizemos isso de acordo com as atrações que cada cidade oferece, ao nosso tempo e a nossa vontade de conhecer tal lugar. E levamos em consideração as condições das estradas e a distância entre uma cidade e outra (passo 3).

Nessa hora o roteiro se mistura ao planejamento e começamos a definir custos (de combustível, pedágios e alimentação, por exemplo), assim, temos noção do valor necessário para viagem. Se der um valor maior que a verba dá para cortar alguns gastos ou abrir mão de alguns lugares. Já se a verba e o tempo forem maiores, dá para prolongar a viagem, seguindo a ideia do “Triângulo do Planejamento“.

 

3- Rotas

Pesquisamos as rotas pelo Google Maps, Bing Maps e Ruta0, assim tivemos noção de quantos quilômetros iriamos percorrer de uma cidade para outra, também pudemos calcular o tempo gasto no deslocamento de uma cidade para outra e o gasto com combustível, com isso, planejar melhor nossas paradas.

Por exemplo: em um dos nossos primeiros roteiros, de Porto Alegre íamos para Chui e só no outro dia para Montevideo, com as pesquisas nesses sites e em blogs, vimos que dava para ir de POA a Montevideo em um dia, assim economizamos tempo e dinheiro.

Outro site útil é o site do DNIT, onde tem as condições das estradas brasileiras.

 

4- Preço de combustível e pedágios

Feito o cálculo dos quilômetros a percorrer por trecho entre uma cidade e outra, fizemos pesquisas em blogs para saber o preço por litro de gasolina no Uruguai, Argentina e Chile. A gasolina nestes países é pura – não há mistura de etanol como há no Brasil – prevemos que o carro ia render (sempre por baixo): 13 Km/l (no total da nossa viagem o carro (1.0) fez aproximadamente 16 Km/l, usamos gasolina em todo o percurso).

Com a quilometragem do trecho, o valor do litro e o rendimento do carro dá para calcular o valor gasto com combustível, usando esta formula:

Km ÷ Km/l x Preço do Litro = Valor gasto com combustível

Também pesquisamos nos blogs valores de pedágios no estrangeiro e no do Brasil fizemos a pesquisa pelo Mapeia.

Sempre colocamos esses custos por dia e/ou trecho percorrido na planilha.

 

5- Hospedagens

Definido o trajeto e as cidades começamos a procurar valores de hotéis, pousadas e hostels pela internet. É bom pesquisar muito e em dias diferentes, pois os preços variam de acordo com o dólar.

Exemplo: Nessa hora decidimos não dormir em Punta Del Este como prevíamos,  fizemos as contas e saia mais barato dormir em Montevideo e fazer um bate volta para Punta do que dormir em Punta. Também foi nessa hora que cortamos o sul chileno do nosso roteiro, era alta temporada por lá e o valor da hospedagem era muito, muito caro!

 

6- Alimentação

Definimos que íamos gastar com alimentação em um dia uma média de R$30/pessoa. Deu e sobrou.

Aqui não fizemos tanta pesquisa, a ideia era economizar. Chegamos nesse valor lendo blogs e fóruns. Mas se a ideia for fazer “turismo gastronômico” no próprio Mochileiros.com tem várias dicas legais.

 

7- Passeios

Pesquisamos valores de alguns passeios que gostaríamos de fazer e colocamos os valores na planilha. Tivemos que abrir mão de algumas coisas para baratear a viagem. Nossas pesquisas foram em guias, blogs e fóruns.

 

8- Adequação do roteiro

Depois de ter pesquisado rotas, combustíveis, pedágios, hospedagens, passeios e ter definido uma média em alimentação por dia, a planilha nos mostrou o valor total necessário. Fomos fazendo as adequações necessárias para chegar no valor que tínhamos para viagem.

 

Leia o post sobre o planejamento. Também sugiro esse tópico do Mochileiros.com.

Quem escreve?

Sou um típico bicho do mato! À primeira vista pareço um cara estranho, falo pouco, observo muito e quase nunca me enquadro socialmente. Adoro mapas, história e fotografia, inclusive, se eu não fosse programador poderia ser um ótimo arqueólogo. Mas tem alguns mundos onde me encaixo: em um mergulho no mar, no silêncio das montanhas, assistindo à queda de uma cachoeira e até mesmo, dentro de um bom museu.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *