Puno

Passeio de um dia pelas Islas de los Uros e Taquile

Conhecer uma tribo primitiva sempre foi um sonho de infância, e em Puno-Peru foi possível realizar. Esta cidade é banhada pelo Lago Titicaca, então de lá é possível fazer o passeio até as Islas de los Uros e Taquile.

 

Islas de los Uros

A van passou no hostel às 6h30 e nos deixou no porto. Imediatamente o guia nos levou ao barco e começou a explanar sobre o Lago Titicaca.

Com 1 hora de percurso chegamos a uma das Ilhas de los Uros – um conjunto com cerca de 20 ilhas flutuantes, que são feitas de totora e fio de nylon pelo povo “Los Uros” que as habitam e dão manutenção semanal. Ficam amarradas, a fim de evitar que a corrente leve-as para o lado boliviano do Lago Titicaca.

Cada ilha tem seu Presidente, e no passeio ele explicou como é feita a ilha, os costumes e um pouco do dia-a-dia dos moradores.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Depois fomos convidados a dar uma voltinha de uns 15 minutos, em um barco de totora, para colher essa planta que nasce em volta da ilha. Esse meio também é utilizado para trasporte dos locais e para pesca.

Depois o horário é livre para conhecer toda a ilha, fotografar e comprar artesanato feito pelas moradoras.

 

Isla de Taquile

Prosseguimos para a Isla de Taquile, e em aproximadamente 30 minutos estávamos lá.

Taquile é a 3ª maior ilha do Lago Titicaca, possui mais de 2 mil moradores e as famílias de lá plantam e criam animais para seu próprio sustento.

Depois de uma subidinha tensa, chegamos até uma casa local. Em uma varanda com uma bela vista do lago, nos serviram o almoço. E sem exageros, foi “O almoço” – entrada: sopa de quinoa; prato principal: arroz, legumes e trucha (peixe), muito bom! E depois teve ainda chá de coca e muña. Essa segunda planta tem um aroma e um sabor único!

Além disso, a tribo nos mostrou como fazem seus trajes e o como fazem seu próprio xampu. Sem falar que nos apresentaram uma das danças típicas e nos convidaram a entrar na roda. Ufa! Haja disposição.

Depois do almoço continuamos a travessia da ilha a pé, o que leva mais de 1 hora. A vista é tão linda que nem sentimos cansaço e nem mal de altitude – vale lembrar que estávamos a mais de 3.900 metros acima do nível do mar.

Terminada a travessia, pegamos o barco novamente e voltamos para Puno. O trajeto leva pouco mais de uma hora, deu até para cochilar.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Contato com as tribos

Além da riqueza cultural que esse passeio proporciona, o mais importante é o contato com as tribos primitivas. É como se você pudesse se ver, mas em outro tempo: o passado!

Sim, os índios estão em toda a parte da nossa história e apesar de tanta evolução, conseguem provar que sua sabedoria se sobressai a toda tecnologia.

Vale a pena estar de corpo e alma nessas duas ilhas. Vale a pena olhar nos olhos desses primitivos, perceber sua relação com a natureza e com o mundo. Perceber o quanto são felizes com tão pouco, que ao meu ver, é muito.

 

Como fazer o passeio para as Islas de los Uros e Taquile

Chegando em Puno é possível encontrar várias agências que fazem passeios para essas islas. O hostel que ficamos, o Pirwa, oferecia o passeio, então fechamos lá mesmo o de 1 dia inteiro por S/. 50 por pessoa (± R$ 55).

 

O que estava incluso
  • Traslado de van, do hostel ao porto
  • Barco às islas de los Uros e Taquile
  • Guia bilíngue (espanhol e inglês)
  • Entrada para as ilhas

 

O que não estava incluso
  • Passeio com barco de totora na Isla de los Uros, S/. 10 por pessoa (± R$ 10,90)
  • Almoço na Isla de Taquile, S/. 20 por pessoa (± R$ 21,80)

 

Lua-de-mel: Mochilão É Tetra!
Esse post faz parte da viagem “Lua de mel: Mochilão É Tetra!“, onde passamos pela Bolívia, Peru, Equador e Colômbia.

Quem escreve?

Prazer, pode me chamar de Naty! Sou marketeira por profissão e blogueira nas horas vagas. Moro em SP, mas já morei na Nova Zelândia e confesso que tenho uma “quedinha” pela ideia de morar fora novamente. Adoro bichos e pessoas também, inclusive as mais incompreensíveis rs! E acredito que assim como a leitura, música, e todas as formas de arte, conhecer diferentes culturas amplia nosso conhecimento sobre o outro e sobre nós mesmos.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *