Minas Gerais

Pico dos Cabritos e Cachoeira do Salto em Extrema

No 2º dia (domingo, 03/06/2012) da viagem “Fim de semana em Extrema e Joanópolis“, aproveitamos para fazer a trilha até o Pico dos Cabritos e à tarde fomos ao Parque da Cachoeira do Salto, na cidade de Extrema, no sul de Minas Gerais.

Após o café saímos da pousada e fomos fazer a trilha até o Pico dos Cabritos.

 

Pico dos Cabritos

Fizemos o percurso a pé, mas dá para subir de carro, porém a estrada é de terra com apenas alguns trechos asfaltados. Subimos sem pressa, levamos cerca de 1h40 para fazer o percurso. Embora a trilha seja fácil, a subida é cansativa. Mesmo assim vale a pena ir a pé e aproveitar o contato com a natureza.

A vista lá de cima é muito bonita, dá para ver Extrema por completo e mais distantes outras cidades.

Por não conhecer o lugar e pela falta de um guia e placas, não fomos até a região da Torre da Embratel, na Serra do Lopo. Perdemos a chance de ver, de cima, algumas das represas do sistema Cantareira, do estado de São Paulo.

A descida da trilha é mais fácil (avá!), levamos cerca de 40 minutos para chegar ao estacionamento do Parque, mais ou menos o meio do caminho entre o alto do pico e a pousada.

Parque Ecológico Pico dos Cabritos, além da trilha para o Pico dos Cabritos, também possui rampa para a prática de voo livre, pontos para prática de rapel, sala de eventos, restaurante, SPA, herbário e estacionamento. Outro ponto interessante e que fomos conhecer, é a mina d’água com piscina natural, esse ambiente é extremamente relaxante.

 

Saímos do Parque Ecológico Pico dos Cabritos às 17 horas e fomos ao CITE (Centro de Informações Turísticas de Extrema), no Centro. Colhemos informações do que fazer no resto do dia. Resolvemos ir ao Parque da Cachoeira do Salto.

 

Parque da Cachoeira do Salto

De fácil acesso o Parque da Cachoeira do Salto fica na Estrada do Salto, a 7 km do CITE e a 5,7 Km da pousada, demoramos 20 minutos para chegar ao Parque que fica as margens do Rio Jaguari.

A estrutura do parque é muito boa, têm várias pontes, algumas delas servem como mirante, restaurante, comércio de artesanato, banheiros, playground, quiosques e estacionamento. A entrada é gratuita.

Após ver a cachoeira e conhecer o Parque, voltamos à pousada e vimos o pôr do sol.

Depois de descansar um pouco fomos jantar no Renato Lanches, no Centro. Lanche muito bom e barato. Pedimos dois lanches e uma porção de salada, tudo ficou 20 reais.

 

Continue lendo o relato dessa viagem: Divisa de estado MG-SP e Cachoeira dos Pretos

 

Quem escreve?

Sou um típico bicho do mato! À primeira vista pareço um cara estranho, falo pouco, observo muito e quase nunca me enquadro socialmente. Adoro mapas, história e fotografia, inclusive, se eu não fosse programador poderia ser um ótimo arqueólogo. Mas tem alguns mundos onde me encaixo: em um mergulho no mar, no silêncio das montanhas, assistindo à queda de uma cachoeira e até mesmo, dentro de um bom museu.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *