Paraná

Poxa, seria muito massa morar em Curitiba!

No cartão postal toda cidade turística é linda e maravilhosa, mas basta ficar nela alguns dias para chegar naquela básica conclusão: “aqui é ótimo para visitar, mas não para morar”.

As cidades do Brasil que visitei – desde as vilinhas até as capitais – encontrei aspectos positivos e negativos, equilibradamente. Geralmente nas menores encontram-se qualidades como: o ar puro, arborização, pessoas, cultura e lógico, a culinária! Nas maiores: a infraestrutura urbana, que consequentemente promove praticidade e muitas oportunidades econômicas aos moradores.

Enfim, não conhecia uma cidade que reunia esses aspectos… Até que conheci Curitiba!

Mas calma, não estou dizendo que Curitiba é uma cidade encantada, sem violência e congestionamento, mas sim que alia características importantes para se viver bem.

Já tinha passado por lá duas vezes, a caminho de Floripa, e visitei apenas os principais pontos turísticos. O que faltava era uma vivência na cidade.

Mas isso se resolveu, quando nós do Queimando Asfalto fomos convidados a participar da 3ª edição do Curitiblogando.

Este é um encontro de blogueiros, organizado por blogueiros curitibanos. O objetivo é, além de levar os aventureiros para conhecer atrações da cidade, promover a interação entre os mesmos, para que todos compartilhem suas histórias e saiam dali com ainda mais histórias para contar.

 

Leia o post-índice do Curitiblogando

 

Pelo fato de “praticarmos o turismo” pela cidade por dois dias, tivemos que nos locomover de carro de um lado para o outro, e com isso deu pra notar que se tratando de infraestrutura urbana, a capital paranaense atende bem esse quesito. O trânsito é organizado e as ruas são largas, em sua maioria com bom asfalto.

Não precisamos tomar ônibus, mas só de ver pontos de ônibus cobertos por quase toda a cidade, já percebemos uma grande diferença. É que Curitiba utiliza o sistema de transporte BRT – Bus Rapid Transit (Ônibus de Trânsito Rápido), que além de ser responsável pela menor emissão de gases poluentes entre as maiores cidades do Brasil, já foi copiado por mais de 200 cidades do mundo. E sobre isso a galera confirma, o transporte é excelente! Leia mais no post do Guia mundo afora, Thaís Towersey.

Como todo sistema, óbvio que tem falhas, mas quem já precisou cruzar a cidade do Rio de Janeiro de metrô, ou precisou tomar ônibus em São Paulo conhece bem o que é o “verdadeiro caos”.

E, já que estamos falando de infraestrutura urbana, vale lembrar que a capital paranaense conta com uma das maiores estruturas de saúde pública do mundo.

Nesses dois dias descobri também que Curitiba não é só Jardim Botânico, Parque Tanguá e Ópera de Arame, mas é a capital brasileira com a melhor qualidade de vida e sustentabilidade, por isso, além das inúmeras araucárias por toda a cidade, algo comum é encontrar áreas verdes e pessoas se exercitando. Concluí também que se for conhecer todos os parques, museus, praças, igrejas e demais atrações interessantes de lá, tem que ficar no mínimo uma semana.

É importante destacar também que nesse fim de semana conhecemos vários curitibanos. Além do sotaque sulista que muito nos agrada, a companhia não foi diferente, e desfrutamos dela nos passeios durante o dia e barzinhos e baladas à noite.

Como se não bastasse, na segunda noite do evento, o Curitiba Eco Hostel que nos hospedou na primeira noite do evento, não tinha mais quartos disponíveis, por isso um dos organizadores do Curitiblogando nos abrigou em sua “humilde residência”. Sim, humilde! No sentido literal, pois seus pais e agregados nos receberam muitíssimo bem, nos proporcionando uma excelente estadia.

E é por essas e outras que voltei do evento pensando: “Poxa, seria muito massa morar em Curitiba!”.

 

curitiblogando

Blogueiros da Rede Curitiba: Anna Martinelli e Mariana Fachin (Finestrino), Beta Rodrigues e Dea Sales (Férias de Mochila), Robson Franzói (Um Viajante), Natasha Schiebel e João Guilherme Brotto (Pra Ver em Londres), Leidinara Batista (Férias Now), Jr Caimi (Tip Trip Viagens), Maria Thereza (Travel Monster) e Cristiane Tomasi (Carpe Diem).

Blogueiros convidados: Diana Schrock (Histórias da Di), Fábio Lima (Intrip), Rafael Leick (The Way Travel), Carol May (Dicas Roteiros Viagem), Erick Stengrat (My Destination Anywhere), Claudia Saleh (Aprendiz de Viajante), Thaís Towersey (Guia Mundo Afora), Guilherme Tetamanti (Viajando com eles), Lucas e Natalia (Queimando Asfalto) e Marina Fabri (Coisas de Diva).

Quem escreve?

Prazer, pode me chamar de Naty! Sou marketeira por profissão e blogueira nas horas vagas. Moro em SP, mas já morei na Nova Zelândia e confesso que tenho uma “quedinha” pela ideia de morar fora novamente. Adoro bichos e pessoas também, inclusive as mais incompreensíveis rs! E acredito que assim como a leitura, música, e todas as formas de arte, conhecer diferentes culturas amplia nosso conhecimento sobre o outro e sobre nós mesmos.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *