Viagens

Resumão do Mochilão pela América do Sul

Em nossa lua de mel fizemos um mochilão de 35 dias por 4 países da América do Sul: Bolívia, Peru, Equador e Colômbia. Essa foi nossa primeira viagem do gênero, tivemos muitos aprendizados e realizamos alguns sonhos, como conhecer Machu Picchu, nadar com golfinhos e fazer um mochilão.

As experiências variaram entre comer resto de comida, passar mais de 24 horas na estrada, vomitar por causa disso e até dormir na zona – isso mesmo! Dormimos em um hotel próximo a uma zona de prostituição ao ar livre, durante nossa lua de mel, muito romântico, não?! Felizmente tivemos mais momentos bons do que ruins.

 

Porque Mochilão “É Tetra!”?

 

Roteiro do Mochilão

Dividir 35 dias para 4 países não foi uma tarefa fácil. Depois de muita pesquisa fechamos um roteiro e mesmo assim, durante a viagem ele sofreu alterações. Este foi o roteiro do mochilão:

DIA DATA ROTEIRO
22/12/14 SEG Santa Bárbara d’Oeste a La Paz
23/12/14 TER La Paz a Uyuni
24/12/14 QUA Salar de Uyuni e Cemitério de Trens
25/12/14 QUI Uyuni a Puno
26/12/14 SEX Islas de los Uros e Taquile; Puno a Cusco
27/12/14 SÁB Cusco a Aguas Calientes
28/12/14 DOM Machu Picchu; Aguas Calientes a Cuzco
29/12/14 SEG Vale Sagrados dos Incas
30/12/14 TER Cuzco a Nazca
10º 31/12/14 QUA Linhas de Nazca
11º 01/01/15 QUI Nazca a Paracas
12º 02/01/15 SEX Islas Ballestas e Reserva Nacional de Paracas: Paracas a Lima
13º 03/01/15 SÁB Centro de Lima
14º 04/01/15 DOM Lima a Trujillo
15º 05/01/15 SEG Chan Chan; Trujillo a Guayaquil (via Machala)
16º 06/01/15 TER Guayaquil a Cuenca
17º 07/01/15 QUA Centro Histórico de Cuenca
18º 08/01/15 QUI Parque el Cajas; Cuenca a Baños
19º 09/01/15 SEX Rota das cascatas de Baños
20º 10/01/15 SÁB Baños a Quito
21º 11/01/15 DOM Quito: Centro Histórico e Vulcão Pichincha
22º 12/01/15 SEG Quito: Metade do Mundo
23º 13/01/15 TER Feira de Otavalo e lago Cuicocha
24º 14/01/15 QUA Bogotá: Museu do Ouro
25º 15/01/15 QUI Bogotá: Catedral de Sal de Zipaquirá
26º 16/01/15 SEX Bogotá: La Candelaria
27º 17/01/15 SÁB Bogotá: Serro Montserrat e Museu Nacional
28º 18/01/15 DOM Bogotá a Santa Marta
29º 19/01/15 SEG Santa Marta: Parque Nacional Natural Tayrona
30º 20/01/15 TER Santa Marta: Nado com golfinhos
31º 21/01/15 QUA Santa Marta: Taganga
32º 22/01/15 QUI Santa Marta a Cartagena
33º 23/01/15 SEX Cartagena: Islas del Rosario e Playa Blanca
34º 24/01/15 SÁB Cartagena a São Paulo
35º 25/01/15 DOM São Paulo a Santa Bárbara d’Oeste

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Mapa do roteiro do Mochilão

 

Documentação

Para entrar nos quatro países (Bolívia, Peru, Equador e Colômbia) somente o RG é obrigatório. Para o Peru e Bolívia, recomenda-se tomar a vacina contra febre amarela com pelo menos 10 dias de antecedência – não esqueça de fazer o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP).

 

Dinheiro (cartões, moedas e câmbio)

Utilizamos cartão de débito internacional do Bradesco para realizar saques em caixas eletrônicos. No caso, só foi preciso habilitar essa função da conta corrente, telefonando ao 0800 do banco. Simples, rápido e prático!

De taxas e tarifas bancárias foram cobrados 10 reais por saque e 6,38% de IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos e Valores Mobiliários). Por isso, sempre sacamos o valor máximo permitido, em moeda local.

Abaixo uma tabela com as informações de cada moeda:

País Moeda Código (símbolo) Câmbio para o Real*
Bolívia Boliviano BOB (Bs.) 1 BOB = R$ 0,46
Peru Novo Sol PEN (S/.) 1 PEN = R$ 1,08
Equador Dólar USD (US$) 1 USD = R$ 3,06
Colômbia Peso Colombiano COP ($) 1.000 COP = R$ 1,30

* Câmbio referente a média dos saques realizados no mochilão, incluindo impostos, taxas e tarifas.

 

Quanto custou o Mochilão É Tetra?

O investimento total ficou menos de 15 mil reais. Esse assunto é tão importante que merece um post só para ele. Clique aqui e leia-o.

Quanto custou fazer o Mochilão É Tetra?

 

Fuso horário

A diferença das horas é baixa então não tem confusão por causa do fuso horário. Como fomos em dezembro e janeiro, o horário de verão brasileiro estava rolando. Na Bolívia a diferença de horário entre Brasília e Bolívia era de 2 horas para menos, e no Peru, Equador e Colômbia, a diferença era de 3 horas para menos.

 

Alimentação

Buscamos economizar bastante com alimentação. Comemos em restaurantes populares e fizemos nossa comida. Em raras ocasiões saímos para comer em lugares mais chiques. Veja na galeria abaixo alguns pratos típicos e outros nem tanto, que comemos durante a viagem:

 

Altitude

Esse era um dos nossos medos quando planejamos o roteiro, já que a altitude elevada pode causar o soroche (ou “mal de altitude”). Reparem no gráfico abaixo que existem dois picos de elevação, esse era nosso medo. Foram duas oportunidades da gente sofrer desse mal: na chegada a Bolívia e na chegada ao Equador. Mas felizmente não sentimos nada.

Variação da altitude durante o Mochilão É Tetra!

Variação da altitude durante o Mochilão É Tetra!

 

Clima

Por causa da altitude elevada, boa parte da viagem foi com temperatura entre 10º e 20º, mesmo sendo verão. Isso para gente é frio, então levamos blusas. Eu levei uma corta vento e usei-a durante quase toda a viagem, também compramos luvas e tocas na Bolívia e no Peru – é muito barato! Onde a altitude é abaixo dos 1.000 metros, a temperatura estava acima dos 25º.

O lugar que passamos mais frio foi no Parque El Cajas (Cuenca, Equador), acredito que estava perto de 0º. No litoral colombiano foi onde fez mais calor.

 

Reserve um hotel por aqui e ajude o blog a se manter, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Resumo diário

1º Dia (22/12/14, seg): De Santa Bárbara d’Oeste-São Paulo a La Paz

Acordamos bem cedo e fomos ao Aeroporto Internacional de Guarulhos pegar o avião rumo a Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, com parada em Assunção, no Paraguai. Em Santa Cruz nem saímos do aeroporto e já pegamos outro voo para La Paz. Chegamos à capital boliviana e logo no caminho entre o aeroporto e o hotel notamos a grande diferença cultural. Também observamos a cidade de cima e comprovamos que ela lembra um caldeirão, com as casas fincadas nas montanhas.

Tiramos o dia para aclimatação com a altitude e descansar.

Pernoite: Loki Hostel La Paz

 

2º Dia (23/12/14, ter): Caminhada por La Paz e à noite viagem para Uyuni

Sem roteiro caminhamos por La Paz. Tudo é bem diferente do que estamos acostumados: o trânsito, a sujeira, as cholas, o odor… outra realidade. Isso regado a nossa inexperiência mochileira e do exterior, fizeram com que a gente se sentisse acuados, não aproveitando a cidade da melhor maneira. À noite, pegamos o ônibus para Uyuni.

Pernoite: no ônibus

 

3º Dia (24/12/14, qua): Salar de Uyuni

Chegamos a Uyuni pela manhã e fomos procurar um hostel para tomar banho e passar a noite. Ainda cedo partimos para o Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo. Nesse passeio conhecemos o cemitério de trens. A intenção era ficar dois dias na cidade, porém não haviam passeios para dois dias, eles eram para um ou três dias. Quando retornamos à cidade procuramos algum passeio para o outro dia, sem sucesso pegamos o ônibus de volta a La Paz. Assim foi nossa primeira noite de Natal casados: dentro de um ônibus que pulava mais do que boi de rodeio.

Pernoite: no ônibus

 

4º Dia (25/12/14, qui): De Uyuni a Puno (Peru), passando por Copacabana

De manhãzinha chegamos a La Paz e nem saímos da rodoviária: fomos direto para Puno, no Peru. Pegamos um ônibus que fez uma parada em Copacabana, ainda na Bolívia. Almoçamos por lá e demos uma voltinha pela “praia” do Lago Titicaca. Chegamos a Puno à noite.

Pernoite: Pirwa Hostel Puno

 

5º Dia (26/12/14, sex): Islas de los Uros e Taquile, à noite viagem para Cusco

Saímos cedinho para um passeio pelas Islas Flotantes de los Uros e pela Isla Taquile, ambas no Lago Titicaca – o lago navegável mais alto do mundo. O passeio é longo e cansativo, mesmo assim foi um dos melhores da viagem. Almoce em Taquile, além de farto, a comida é uma delícia. À noite pegamos o ônibus para Cusco.

Pernoite: no ônibus

 

6º Dia (27/12/14, sáb): De Cusco a Aguas Calientes, base para Machu Picchu

Por volta das 4 horas chegamos a Cusco e fomos direto à estação de Poroy pegar o trem para Machu Picchu, ou melhor, para Aguas Calientes, a base para cidade Inca. Tiramos o dia para descansar e deixar tudo certo para ir a Machu Picchu no dia seguinte.

Pernoite: Hospedaje Gaby

 

7º Dia (28/12/14, dom): Conhecemos Machu Picchu e a tarde viajamos para Cusco

Para nossa tristeza, o dia amanheceu nublado. Seguimos para Machu Picchu de ônibus, chegou a garoar, mas isso não ofuscou a magia da cidade Inca. Com o ingresso simples, percorremos as ruínas com uma guia que contratamos na entrada da bilheteria. À tarde, pegamos o trem para Cusco.

Pernoite: Feel at home

 

8º Dia (29/12/14, seg): Vale Sagrado dos Incas

Foi nosso único dia inteiro em Cusco e resolvemos conhecer parte do Vale Sagrados dos Incas. Passamos por Pisac, Urubamba e Chinchero. Com almoço incluso, belas paisagens e histórias fantásticas, é óbvio que o passeio é indispensável. À noite, demos uma volta pela Plaza de Armas, que ainda estava enfeitada para o Natal.

Pernoite: Feel at home

 

9º Dia (30/12/14, ter): De Cusco a Nazca

Antes de partirmos para Nazca visitamos alguns museus do centro de Cusco. Partimos por volta das 16 horas. A viagem tinha tudo para ser ótima, o ônibus era confortável, estávamos no primeiro assento do segundo andar (com vista panorâmica), tinha um bom banheiro e até serviço de bordo, porém não contávamos com as inúmeras curvas. Passamos mal…

Pernoite: no ônibus

 

10º Dia (31/12/14, qua): Linhas de Nazca

… e chegamos a Nazca moídos, depois de quase 16 horas de pura chacoalhação. Depois disso, descansamos para recompor as energias. Era o último dia de 2014. À tarde, partimos via terrestre rumo há alguns mirantes das Linhas de Nazca e ao Museu Maria Heiche, o passeio saiu melhor do que imaginávamos, um esplêndido pôr do sol no deserto fechou o passeio. Passamos nosso primeiro reveillon casados de maneira simples, no próprio hostel, com uma família local.

Pernoite: Nasca Lodge

 

11º Dia (01/01/15, qui): De Nazca a Paracas

Fomos para Paracas de ônibus. Era alta temporada e ainda precisávamos achar um hotel, como previsto, estava tudo lotado. Após várias tentativas frustradas, encontramos um hotel para passar a noite, porém para nossa tristeza, o aquecedor estava quebrado e não havia água quente, nem morna. Dormi sem tomar banho.

Pernoite: Lucero Hostel

 

12º Dia (02/01/15, sex): Ilhas Ballestas e Reserva Nacional de Paracas, e viagem para Lima

Conhecemos as Ilhas Ballestas, um arquipélago com exuberante vida marinha, lá vimos focas, leões marinhos e pinguins, entre outras espécies de aves. Na Reserva Nacional de Paracas, o deserto encontra o mar, conhecemos diversas praias do Pacífico. À noite, fomos para Lima de ônibus.

Pernoite: Kaclla Hostel

 

13º Dia (03/01/15, sáb): Lima: Centro Histórico e Parque de la Reserva

Fizemos uma breve caminhada pelo Centro Histórico de Lima, onde aproveitamos para almoçar. Perto do anoitecer fomos ao Parque de la Reserva, que é cheio de fontes de água e jardins, tudo muito bem cuidado – a entrada é paga. Lá vimos um dos espetáculos de água e luzes que o parque oferece aos visitantes.

Pernoite: Kaclla Hostel

 

14º Dia (04/01/15, dom): De Lima a Trujillo

Antes de partir para Trujillo, no norte do Peru, fomos a pé até a orla de Miraflores. À tarde, pegamos o ônibus e dormimos no Hotel Chavimochic, que fora do nosso conhecimento, fica localizado em um bairro que batizamos de “Itatinga Peruana”, em referência ao bairro de Campinas-SP, considerado o maior prostíbulo a céu aberto da América Latina. Só para lembrar, estávamos em lua de mel.

Pernoite: Hotel Chavimochic

 

15º Dia (05/01/15, seg): Chan Chan e viagem para Guayaquil (via Machala)

Resolvemos ficar uma noite em Trujillo para conhecer a maior cidade de barro do mundo, a Chan Chan, que foi uma grande decepção. No passeio estava incluso uma parada na praia de Huanchaco, outra decepção. Enfim, quase na madrugada pegamos o ônibus da Cruz del Sur para Guayaquil, no Equador.

Pernoite: no ônibus

 

16º Dia (06/01/15, ter): Segue a viagem de Trujillo a Guayaquil e Cuenca

Pela manhã chegamos à fronteira Peru – Equador. Para desespero geral, a Cruz del Sur (empresa de ônibus) encaixou alguns passageiros na fronteira, o que fez atrasar a saída do ônibus e no total foram 4 horas parados, apesar de o processo aduaneiro ter sido rápido. Chegamos a Guayaquil à noite e pegamos outro ônibus, desta vez para Cuenca, no Equador.

Pernoite: Hostel Vila del Rosario

 

17º Dia (07/01/15, qua): Centro Histórico de Cuenca

Na madrugada finalmente chegamos a Cuenca, depois de mais de 26 horas na estrada. Tínhamos uma reserva no Hostel Vila del Rosario, porém quando chegamos lá o quarto reservado estava ocupado, ficamos “P” da vida e para não dormirmos no sofá, ficamos num quarto compartilhado. À tarde, visitamos o mercado, um museu do chapéu Panamá (que apesar do nome, tem sua origem na cidade), a Catedral de la Inmaculada Conception e os arredores da Plaza Abdon Calderon.

Pernoite: Hostel Vila del Rosario

 

18º Dia (08/01/15, qui): Parque Nacional el Cajas e viagem a Baños

Acordamos bem cedo e de ônibus partimos rumo ao Parque el Cajas, na região de Cuenca. Lá foi o lugar onde mais passamos frio na viagem. No parque há vários lagos e colinas, é um cenário de cinema. Caminhamos por duas horas em uma das trilhas e já fomos embora para pegar o ônibus até Baños. Chegamos lá à noite e com garoa.

Pernoite: Hostal Cañalimeña

 

19º Dia (09/01/15, sex): Roteiro das cascatas de Baños

Mesmo com tempo nublado e com chuva em alguns momentos, fizemos o roteiro das cascatas. A parte mais legal foi a do “teleférico” que atravessa um grande vale e chega bem perto de uma cachoeira. Outras paradas interessantes são: da tirolesa, mas não a fizemos por ser cara; e na Cascada Encanto del Rocío. À noite, a chuva parou um pouco e aproveitamos para caminhar pela praça do centro da cidade.

Pernoite: Hostal Cañalimeña

 

20º Dia (10/01/15, sáb): Casa del Arbol e viagem a Quito

São Pedro não ajudou e a esperança do dia amanhecer com sol foi por água abaixo – literalmente. Mesmo assim, fomos a Casa del Arbol, onde fica o famoso “balanço do fim do mundo”, infelizmente o tempo não abriu e não conseguimos ver o vulcão ativo que fica perto dali. À tarde, pegamos um ônibus para capital equatoriana e ainda tivemos tempo, para um momento raro, de sair para comer uma pizza.

Pernoite: Hostel Discovery Quito

 

21º Dia (11/01/15, dom): Quito: Centro Histórico e TelefériQo

Dizem que o Centro Histórico de Quito é um dos mais preservados da América Latina, então fomos dar um rolé por ele. Alguns prédios chamam a atenção, assim com a grande subida da Rua Chile, entre a estação Plaza Marín e a Plaza Grande. Depois disso, seguimos para o TelefériQo, o teleférico mais alto da América Latina, chega a 4.050 metros de altitude numa montanha próxima ao vulcão Pichincha.

Pernoite: Hostel Discovery Quito

 

22º Dia (12/01/15, seg): Mitad del Mundo e Parque El Ejido

Pegamos o ônibus e fomos até o parque Mitad del Mundo, onde teoricamente passa a Linha do Equador, que divide o planeta em norte e sul. Quando voltamos para Quito, fomos ao Parque El Ejido, que fica perto do Hostel Discovery Quito, não há nada demais, nossa diversão foi nos brinquedos das crianças. Antes de voltarmos ao hostel comemos um lanche no TropiBurger, um dos melhores fast-food que já comi.

Pernoite: Hostel Discovery Quito

 

23º Dia (13/01/15, ter): Região de Otavalo e viagem a Bogotá

Cedinho nosso motorista e guia passou no hostel para irmos a Otavalo, no norte do Equador. A viagem foi tranquila pelas novas rodovias equatorianas. Visitamos a feira de Otavalo, uma das maiores feiras indígenas da América do Sul; seguimos para cachoeira de Peguche, que fica em uma comunidade indígena; em seguida fomos a Lagoa Cuicocha; e para finalizar o passeio pela região de Otavalo, comemos uma fritada (prato típico equatoriano), no restaurante Mama Miche. De volta a Quito paramos no gigantesco Parque la Carolina. Dia cheio e ainda fomos ao aeroporto rumo a Bogotá.

Pernoite: Tip Top Hostel

 

24º Dia (14/01/15, qua): Bogotá: Museu do Ouro

De madrugada chegamos a Bogotá e dormimos. Acordamos cansados e resolvemos tirar o dia apenas para conhecer o Museu do Ouro, que é considerado um dos maiores e mais importantes museus de ouro do mundo e realmente é incrível! Comemos uma porção de carnes no Touro Burger, o prato perfeito para quem está morrendo de fome.

Pernoite: Tip Top Hostel

 

25º Dia (15/01/15, qui): Catedral de Sal de Zipaquirá

Novamente de ônibus, seguimos para Zipaquirá, na região de Bogotá. Conhecemos a famosa Catedral de Sal que fica a 180 metros para baixo da terra, em uma mina de sal. Fizemos a Trilha do Mineiro, que é uma experiência onde os visitantes sentem um pouco como era o trabalho na mina.

Pernoite: Tip Top Hostel

 

26º Dia (16/01/15, sex): La Candelaria, o centro histórico de Bogotá

Eu queria ver a troca da guarda, mas não pesquisei antes e no dia fui ver que precisava marcar horário, não deu certo. No fim caminhamos pela La Candelaria e visitamos algumas igrejas e o Museo de Botero, que reuni obras de arte do artista colombiano e de outros famosos como Salvador Dali e Claude Monet.

Pernoite: Tip Top Hostel

 

27º Dia (17/01/15, sáb): Cerro de Monserrate e Museu Nacional

Subimos o Cerro de Monserrate de funicular e descemos a pé. Esse local é um santuário para os colombianos, na descida vimos muita gente pagando promessa, subindo descalço ou até ajoelhados. Mais à tarde, visitamos o Museu Nacional, o mais antigo da Colômbia, que reúne mais de 20 mil peças, símbolos da história e patrimônio nacional.

Pernoite: Tip Top Hostel

 

28º Dia (18/01/15, dom): De Bogotá a Santa Marta

Bem de manhã pegamos o avião para Santa Marta, no litoral colombiano. Durante o voo, pudemos avistar os picos da Serra Nevada – sentamos do lado direito. Quando chegamos, descansamos e só demos uma volta pela orla da praia central, onde há um píer. Vimos um belo pôr do sol.

Pernoite: La Guaca Hostel

 

29º Dia (19/01/15, seg): Parque Nacional Natural Tayrona

Com a expectativa em alta partimos rumo ao Parque Tayrona, banhado pelo mar caribenho. Entre uma trilha e outra, fomos nos decepcionando com as praias, elas até são bonitas, mas nada tão espetacular. Por ficarem no caribe imaginávamos areia mais clara, mar com tons de azul e água mais quente. Por fim, andamos à beça e vimos praias como as do litoral norte de São Paulo.

Pernoite: La Guaca Hostel

 

30º Dia (20/01/15, ter): Nado com golfinhos em Santa Marta

No início da tarde fomos à Praia El Rodadero para de lá pegar um barco até o Acuario El Rodadero. Nele há diversas espécies marinhas como: focas, tubarões, tartarugas e lógico, golfinhos. Estes deram um show de sincronismo e depois a Natalia nadou com eles. Ainda tivemos tempo para nadar na Playa Blanca, que fica ao lado do aquário.

Pernoite: La Guaca Hostel

 

31º Dia (21/01/15, qua): Pôr do sol em Taganga

Dia meio morto, fomos atrás de uma casa de câmbio para trocar uns dólares. Foi difícil achar uma e nisso andamos bastante pela cidade. No fim da tarde, pegamos um ônibus para Taganga e ficamos por ternos minutos em frente ao mar apreciando o sol se pôr.

Pernoite: Jackie’s Hostel

 

32º Dia (22/01/15, qui): De Santa Marta a Cartagena e apreciação do Mapalé

Fomos de manhã e a viagem demorou umas 5 horas, com um micro-ônibus. Então, tivemos tempo para caminhar pela cidade murada. Já era noite quando ouvimos o som de tambores vindo de uma praça, quando nos aproximamos vimos um grupo apresentando uma dança típica colombiana, era o Mapalé em um espetáculo cultural ao ar livre e gratuito.

Pernoite: Hotel Stil

 

33º Dia (23/01/15, sex): Islas del Rosário e Playa Blanca

O último dia de passeios da lua de mel não poderia ter sido melhor: um dia lindo de muito sol no Mar do Caribe! De barco fomos até a região da Playa Blanca, em Isla Barú. Lá fizemos snorkel nas Islas del Rosário e depois ficamos a tarde inteira curtindo a Playa Blanca.

Pernoite: Hotel Stil

 

34º Dia (24/01/15, sáb): De Cartagena a São Paulo

Dia de pegar o voo de volta para casa. Fizemos escala em Bogotá e só saímos da Colômbia perto da madrugada.

Pernoite: avião

 

35º Dia (25/01/15, dom): De São Paulo a Santa Bárbara d’Oeste

Chegamos a São Paulo por volta das 6 horas. Depois do processo aduaneiro e de pegar minha mochila, voltamos para Santa Bárbara d’Oeste na companhia dos meus pais.

 

Lua-de-mel: Mochilão É Tetra!Esse post faz parte da viagem “Lua de mel: Mochilão É Tetra!“, onde passamos pela Bolívia, Peru, Equador e Colômbia.

Quem escreve?

Sou um típico bicho do mato! À primeira vista pareço um cara estranho, falo pouco, observo muito e quase nunca me enquadro socialmente. Adoro mapas, história e fotografia, inclusive, se eu não fosse programador poderia ser um ótimo arqueólogo. Mas tem alguns mundos onde me encaixo: em um mergulho no mar, no silêncio das montanhas, assistindo à queda de uma cachoeira e até mesmo, dentro de um bom museu.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *