Nossa viagem pelas cidades históricas de Minas Gerais partiu da ideia de fazer uma viagem curta usando nosso saldo de férias, teria que ser uma viagem de carro e nacional para não gastar muito dinheiro. Escolhemos sair dia 29 de junho para emendar o feriado paulista de 9 de julho. Fizemos nosso roteiro pelas cidades históricas de Minas Gerais incluindo a capital mineira, Belo Horizonte, e uma passada pela região da Serra do Espinhaço.

Incluímos no roteiro dormir em Tiradentes, Ouro Preto, Conceição do Mato Dentro, Diamantina e BH, passando por São João del-Rei, Mariana, Santa Bárbara, Congonhas, Serro e distrito de Milho Verde.

Aqui no blog, no Facebook e no Twitter, essa viagem recebeu a tag #MG13. Todos os posts com essa tag no título são referentes a essa viagem.

Nosso roteiro ficou assim:

1º dia (29/06): Santa Bárbara d’Oeste a Tiradentes, passando por São João del-Rei
2º dia (30/06): Calçada dos Escravos em Tiradentes
3º dia (01/07): Santuário do Bom Jesus de Matosinhos (Tiradentes a Ouro Preto)
4º dia (02/07): Roteiro a pé: Museus em Ouro Preto
5º dia (03/07): Roteiro a pé: Igrejas de Ouro Preto
6º dia (04/07): Ouro Preto a Conceição do Mato Dentro, passando por Mariana e S. Bárbara
7º dia (05/07): Conceição do Mato Dentro a Diamantina, passando por Serro
8º dia (06/07): Passeio em Diamantina
9º dia (07/07): Diamantina a Belo Horizonte
10º dia (08/07): Passeios em Belo Horizonte
11º dia (09/07): Belo Horizonte a Santa Bárbara d’Oeste

 

Fizemos esse roteiro basicamente como foi feito o roteiro da Viagem UAC, as dicas estão nesse post: O Sonho UAC #005: Fazendo o roteiro.

 

Nessa viagem não levamos GPS, levamos apenas um mapa rodoviário, e no 6º dia erramos caminho e pegamos muitas estradas de terra. Enfim, com esse equívoco, nosso trajeto ficou parecido com isso:

Se você pretende ir para Minas Gerais leve um bom GPS lá praticamente não existe sinalização, seja nas estradas ou dentro das cidades e quando tem placa: muitas estão danificadas ou cobertas por mato e/ou árvores. Até na capital Belo Horizonte a sinalização deixa a desejar, mesmo com os investimentos para a Copa do Mundo FIFA 2014.

Mesmo com estradas razoáveis e com falta de sinalização, valeu muito a pena visitar essas cidades mineiras, além do banho cultural, elas ainda são “bonitas por natureza”.