Uruguai

O Sonho UAC #004: Esboço do planejamento da viagem

Essa talvez seja a parte mais difícil e ao mesmo tempo prazerosa de uma viagem. Se sua viagem for longa comece a planeja-la o quanto antes.

Por ser nossa primeira viagem fora do Brasil e de carro (mais burocracia!), começamos a planejá-la 9 meses antes (em março/2012), podemos dizer que: nosso “filho” está para nascer!

Não seguimos nenhuma fórmula específica, mas podemos deixar aqui algumas dicas baseadas nas experiências que tivemos ao longo do nosso planejamento.

Triângulo do Planejamento

Triângulo Planejamento

A base para o planejamento é a pesquisa. Depois imagine um triângulo equilátero (todos os lados iguais), onde cada face tem uma representação: “Destino”, “Dinheiro” e “Tempo” (como a imagem ao lado). As três têm que estar em perfeita sintonia para manter a forma do triângulo, ou seja, um lado não pode ser maior ou menor que o outro. Todos tem a mesma importância.

Por exemplo: queremos ir ao México; temos mil reais; e 10 dias para viajar. Essa viagem torna-se impossível, pois o investimento é baixo. Foi  buscando o equilíbrio que alteramos tanto nosso roteiro, pois o destino estava desequilibrando o triângulo.

Nosso primeiro Destino era Montevideo. Conforme fomos pesquisando e adquirindo informações vimos que era possível esticar nossa viagem para Buenos Aires, depois Mendoza, logo Santiago e por fim Pucón e Bariloche, pois temos Tempo para isso (até 25 dias). Porém nosso Dinheiro é insuficiente para ir até Pucón e Bariloche, assim, nosso Destino é Santiago.

 

Existem outros itens que fazem parte do planejamento, alguns citados abaixo:

Documentação

Pesquise o que você precisa e acerte toda a documentação necessária para sua viagem. Veja o post com as documentações necessárias para ingressar ao Uruguai, Argentina e Chile. Mesmo que você leia que não pedem determinado documento, se possível faça-o e evite dor de cabeça.

 

Saúde

Para Argentina e Chile não é preciso tomar nenhuma vacina, já para o Uruguai é preciso tomar a vacina da febre amarela e fazer o CIVP (Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia). Se você não tomou a vacina, informe-se onde tomar na secretaria de saúde da sua cidade. O 2º passo é ir até um dos Centros de Orientação de Viajantes com o Cartão Nacional de Vacinação (preenchido corretamente com: data da administração da vacina, lote da vacina, assinatura do profissional que realizou e identificação da unidade de saúde) – esse cartão é feito no local onde aplica vacina – documento de identidade oficial com foto e cadastro no site da ANVISA. Para emissão do CIVP é necessário assinatura do viajante no ato, sendo imprescindível sua presença.

Antes da viagem paramos de consumir bebidas alcoólicas, mantivemos nossas atividades física e começamos a tomar suplemento de vitaminas (Centrum). Sugerimos procurar um médico para ele indicar os medicamentos e/ou suplementos para sua viagem.

Outros cuidados com a saúde devem ser tomados durante a viagem, como por exemplo, evitar o consumo de água de torneira. Essas e outras dicas você encontra no “Guia de Saúde do Viajante” da ANVISA.

 

Clima

Se você vai viajar em janeiro e quer neve em Bariloche, mude o mês da sua viagem. Pesquise o histórico das temperaturas e da precipitação do seu destino para o mês da sua viagem. Leve mais roupas para o clima indicado no histórico, mas previna-se e leve algumas roupas para outro clima, guarda-chuva e/ou capa de chuva são bons acessórios para quem pretende fazer atividades ao ar livre. Se possível, evite as altas temporadas, tente ir após esse período, além de economizar uma boa grana ainda pega os lugares mais vazios.

 

Acessos/Estradas

Estrada ruim gera mais desgaste para o carro, torna a viagem mais lenta e pode haver despesas extras. O que afeta diretamente o planejamento. Pesquisas são fundamentais “existem várias maneiras de chegar ao destino”, mesmo assim se não tiver jeito e você tiver que pegar aquela estrada ruim, no roteiro lembre-se dessa estrada e não faça loucura, para economizar tempo, seja prudente.

Fique atento também se o trajeto inclui balsas, serras e outras dificuldades de acesso. Você deve estar preparado e ciente do que vai enfrentar pelo caminho.

 

Hospedagem

Após ter o roteiro definido, fizemos as reservas pesquisando pelos sites de buscas de hotéis e hosteis como o Booking, TripAdvisor, HostelBookers e HostelWorld. A maioria de nossas reservas foram feitas no Booking. Só um hostel que reservamos diretamente pelo site próprio.

O nosso perfil é de viagem econômica, a gente não liga para luxo. Baseamos nossas escolhas de hospedagem em locais baratos, sem luxo, porém com boa indicação. A gente escolhe a hospedagem além pelo preço e localização, pela aquela que oferece banheiro privativo e estacionamento para carro gratuito.

Tomamos como referência as avaliações dos hotéis nos sites de reservas e também no Mochileiros.com, lá têm várias dicas de hospedagem para toda parte do mundo.

Para uma viagem proveitosa, planejamento e roteiro caminham juntos. Nesse post tratamos da confecção do nosso roteiro.

Quem escreve?

Sou um típico bicho do mato! À primeira vista pareço um cara estranho, falo pouco, observo muito e quase nunca me enquadro socialmente. Adoro mapas, história e fotografia, inclusive, se eu não fosse programador poderia ser um ótimo arqueólogo. Mas tem alguns mundos onde me encaixo: em um mergulho no mar, no silêncio das montanhas, assistindo à queda de uma cachoeira e até mesmo, dentro de um bom museu.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *