Santiago

13º Dia (03/01/13, qui): Caminhada pelo Centro Histórico de Santiago

Roteiro de um dia para curtir o centro de Santiago do Chile a pé e gastando quase nada. Com isso na cabeça, andamos pelas ruas centrais da capital chilena sem destino definido e passamos por prédios oficiais e culturais, museus, praças e igrejas.

Total de Km percorridos (de carro) no dia: 12,2

 

Reserve um hotel em Santiago e ajude o blog, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Fizemos nosso café da manhã e às 15 horas fomos dar uma volta pelo Centro Histórico de Santiago. Até dava para ir a pé – do apartamento ao centro – todavia fomos de carro (20 minutos) e estacionamos na rua ao lado do antigo Congresso Nacional. Tivemos que pagar CH$ 1.950,00 no cartão de estacionamento.

O clima estava perfeito, temperatura em torno dos 22°, com quase nenhuma nuvem e uma brisa agradável.

Fizemos nossa primeira caminhada começando pela Plaza de Armas. Nessa praça tem alguns monumentos e ao redor fica a Catedral Metropolitana de Santiago, o Correo Central, o Museu Histórico Nacional, entre outros. No meio da praça tem uma fonte e tinha algumas crianças brincando nela.

Seguimos pelo Paseo Estado até a Calle Moneda e passamos pela Iglesia San Agustin. Procuramos por alguma loja que vendesse DVD virgem para gente fazer backup das fotos da viagem, achamos, porém estava caro e não compramos.

Depois voltamos em direção à praça, e passamos pelas estátuas Pedro de Valdivia e Apostolo Santiago, ambas na Plaza de Armas. Continuamos reto até a Iglesia de Santo Domingo e a Municipalidad de Santiago.

Fomos até a Estación Mapocho onde antigamente funcionava uma estação de trem e hoje é um centro cultural. Para nosso azar, a estação estava parcialmente fechada e não tinha exposição. Só deu para “apreciar” a arquitetura do local. Ao lado da estação passa o Rio Mapocho, que nasce na Cordilheira dos Andes.

Depois disso retornamos ao carro. Demos uma volta com ele pelas ruas do centro de Santiago, até que achamos uma vaga na Calle Morandé, ao lado do Palácio de La Moneda. Estacionamos sem precisar colocar cartão.

Atravessamos a rua e entramos no Centro Cultural Palacio de La Moneda, que fica no subsolo da Plaza de La Ciudadanía. Esse espaço mais parecia um shopping center e muitos espaços estavam fechados. Apenas aproveitamos para usar o banheiro.

 

Seguimos nosso “tour” pela Plaza de La Ciudadanía, de onde podemos ver a enorme “Bandeira Bicentenário” chilena que fica no meio da Avenida Liber Bernardo O’Higgins, e outras menores no Plaza Bulnes.

Contornamos o Palácio de La Moneda, que é a sede da presidência chilena. Esse palácio foi atacado pelas forças armadas durante o golpe militar de 1973, e na década de 1980 foi restaurado, pelo líder militar Augusto Pinochet.

Também foi nele que o então presidente Salvador Allende foi assassinado (ou se suicidou) ao se recusar a entregar a presidência aos militares e sair do país com sua família. Allende foi o primeiro presidente socialista eleito democraticamente na América.

Na Plaza de la Constitución, que fica ao norte do Palácio de La Moneda, tem várias bandeiras do Chile, é cercado por prédios do governo e tem estátuas de ex-presidentes espalhadas por seus jardins. Uma delas é a do Salvador Allende, que fica em frente ao prédio do Ministério da Justiça.

Aproveitamos para realizar um saque na agência do Santander, como de praxe sacamos o valor máximo permitido no caixa eletrônico, no Chile era CH$ 200.000,00 (duzentos mil pesos chilenos). Estávamos ricos, só que não – esse valor representa R$ 880,00. Com a tarifa de saque o câmbio foi de CH$ 224,60 = R$ 1,00.

Seguimos pela Calle Teatinos, até a Calle Compañia de Jesús, em busca do Museu Chileno de Arte Pré-colombiana, procuramos e não achamos. Depois ficamos sabendo que esse museu estava fechado para visitação, por ter sido afetado por um terremoto e por isso estava em reforma.

Nessa nossa busca voltamos onde havíamos estacionado o carro pela primeira vez, no antigo Congresso Nacional, registramos algumas fotografias da Biblioteca del Congreso Nacional e do Tribunales de Justicia e retornamos ao carro, no caminho registramos mais fotos, agora da Intendencia Metropolitana.

Nossas andanças pelas ruas do Centro Histórico de Santiago duraram 3 horas.

Voltamos ao apartamento ainda de dia. Fomos ao Supermercado Ekono fazer compra para nossos próximos dias em Santiago. Compramos alface (lechuga), cereais (cereal), ovos (huevo), leite (leche), orégano, Nesquik, maionese (mayonesa), creme dental, sopa, suco de abacaxi (nectar piña), arroz, queijo ralado (queso rallado), purê, sopa instantânea, sal (salerô), atum e água. Tudo ficou em CH$ 11.875,00.

No mercado não tem açougue, mas na frente dele tem o Carnes Susaron, onde compramos 500g de peito de frango e 400g de salsichas por CH$ 2.518,00.

Fizemos a janta, comemos, tomando uma cerveja argentina Iguana e depois de um banho de banheira dormimos felizes.

 

Reserve um hotel em Santiago e ajude o blog, sem pagar nada a mais por isso.banner-booking

 

Mapa do dia

 

 

Investimentos do dia

Hospedagem: R$ 126,36*
Alimentação: R$ 64,09*
Estacionamento: R$ 8,68

* Valor para 2 pessoas

Total de km rodados na viagem: 4.472,2

Quem escreve?

Sou um típico bicho do mato! À primeira vista pareço um cara estranho, falo pouco, observo muito e quase nunca me enquadro socialmente. Adoro mapas, história e fotografia, inclusive, se eu não fosse programador poderia ser um ótimo arqueólogo. Mas tem alguns mundos onde me encaixo: em um mergulho no mar, no silêncio das montanhas, assistindo à queda de uma cachoeira e até mesmo, dentro de um bom museu.
Leia também
Nova Zelândia

Queenstown: O que fazer em 3 dias na cidade gastando pouco

Nova Zelândia

Trilha Queenstown Hill: Paisagem fascinante na Nova Zelândia

Nova Zelândia

Arrowtown: A antiga cidade do ouro da Nova Zelândia

Rotorua

Trilha na Redwoods Forest em Rotorua na Nova Zelândia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *